Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

«Pós pop» revisitado

gulb.jpg

Pós pop é o nome de uma interessante exposição na Fundação Gulbenkian em Lisboa, sobre o movimento cultural surgido depois da segunda guerra, que influenciou nas artes, na publicidade, na música, na moda, a nossa vida quotidiana, até aos dias de hoje.

Recordo muitas destas lembranças, a par de uma cena ocorrida recentemente entre dois casais amigos, agora denominados idosos, a tentar utilizar um computador portátil, mas sem se lembrarem da senha de entrada. Por fim, uma das esposas lá conseguiu lembrar-se e finalmente o acesso deu-se.

Mas eis um novo escolho, qual a senha certa para o movimento bancário?

Surgiu depois de muitas tentativas, de uma das carteiras, um papelinho, com a senha escrita.

As memórias já não são de fiar.

Pois, meus senhores, foi esta a geração inovadora do pop.

Velhos ou novos, a todos sabe bem recordar ou aprender.

A super «nanny» e a super parvoíce

concha.jpg

Começou ontem um programa novo na SIC, sobre o (mau) comportamento de crianças, «Super Nanny» . 

Trata-se de uma fórmula televisiva, existente em vários países na Europa e também no Brasil, onde uma educadora ou psicóloga assiste às «cenas» e depois procura aconselhar os familiares sobre a estratégia a adotar.

Em  suma, pretendem-se mudar comportamentos, através do reforço positivo.

Não tenho dúvidas, que em muitas casas o infante terrível é o rei, que manda e ordena e que os pais e os educadores se devem ver aflitos para servir «sua majestade».

Não tenho dúvidas, que muitos destes pais se sintam perdidos e a necessitar de orientação.

Mas fazer disto programa televisivo, expor crianças desta maneira é bem pior que os tradicionais castigos da reguada ou das orelhas de burro, que ao menos só eram presenciados pela turma e agora podem ser assistidos pelo país inteiro.

 

E no dia internacional da mulher

champalim.jpg

E que tal, no dia internacional da Mulher, assinalar a data com uma visita à exposição da pintora Graça Morais, que tantas mulheres tem retratado na sua obra?

A exposição foi escolhida, e muito bem,  para inaugurar o Centro de Exposições da Fundação Champalimaud e merece a nossa visita.

Além do mais a entrada é gratuita, o espaço é lindo, sobre o Tejo, perto da Torre de Belém, e pode aproveitar-se como programa familiar.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D