Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

Coisas do antigamente (continuação)

Uns anos depois, havia já duas crianças nascidas dessa  feliz união.

Um dia, estava a mãe de Amélia à janela da sua casa, a comer laranjas, quando vê passar na rua, um menino e uma menina acompanhados de uma criada, bonitos e bem arranjados, e pergunta então surpreendida, «Quem são estas crianças?»

Ao que a criada lhe terá respondido, «Não os conhece? são os seus netos, filhos da sua filha Amelia».

Furiosa, atirou as cascas das laranjas para cima dos passantes e vai de fechar a janela com força.

 Esta história sempre me deixou perplexa com tamanha cegueira, tamanho preconceito. Como é possível viver ignorando a existência de uma filha, de um genro e dos próprios netos, que para mais, viviam todos na mesma aldeia? Como é possível, não perdoar, não aceitar, não seguir em frente, como se diz agora. Mesmo com as brumas dos primórdios do século passado trata-se de uma história de difícil compreensão.  Que mal lhe tinham feito as crianças, que nunca quis conhecer?  Veio a morrer sem nunca se ter reconciliado com Amélia, que ficou viúva cedo e teve que criar os filhos a maior parte da sua vida sózinha.  

Amélia foi uma mulher livre que fez uma opção de vida estranha na época, escolheu casar por amor e viveu depois de acordo com essa sua escolha.

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D