Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

Firme como um rochedo

 

Quando eu nasci já a rainha de Inglaterra reinava no seu pais e gerava curiosidade à sua volta dada a sua juventude e elegância. Em Fevereiro de 1957 veio com o seu marido em viagem oficial a Lisboa, que deve ter sido muito especial para o jovem casal, pois foi em Lisboa o seu reencontro, após os compromissos profissionais daquele.

Num país cinzento e triste onde nunca acontecia nada, foi uma alegria muito grande a visita da rainha. As minhas três tias, irmãs do meu pai, que viviam praticamente em nossa casa, prepararam-se com afinco para descerem à baixa e correrem ao Terreiro do Paço, ao cais das colunas, onde seria o majestoso desembarque. Ainda tentaram arrastar a minha mãe, que com duas crianças pequenas à sua volta, achou que seria demais. Eu porém, com perto de 4 anos, fiquei no ar, como seria uma rainha a sério?

Quando ao final do dia chegaram as minhas tias estafadas e desanimadas e contaram as suas aventuras ou desventuras, ficou bem claro que elas não tinham conseguido ver a rainha, pois eram só ruas cortadas, gente por todos os lados, militares e polícias aos magotes.

Ainda não havia emissões regulares de  televisão, e poucas famílias tinham aparelhos. Restavam as fotos na imprensa escrita, nos jornais e revistas da época.

No momento em que parte a Rainha Elizabeth II gostaria de a evocar pelo seu exemplo de vida, a sua firmeza e sentido de dever.

 furnas graciosa.jpg

A inocência dos três anos

graciosa.jpgAndou recentemente de avião pela primeira vez. Naturalmente curioso e de acordo com os seus três anos, seguiu com atenção as explicações de segurança da hospedeira, olhando a par e passo para o folheto informativo. Colete salva vidas, lhe chamou ela, enfiar pela cabeça, apertar à frente, encher para ficar parecido com uma boia de piscina ou praia, achou ele.

Depois o infante arrumou tudo na bolsa do banco da frente e saiu-se com esta, «olha nem sabia que estes aviões podiam parar na água.»

Não fiz qualquer comentário, mas fiquei a pensar, é bom sinal que nenhum de nós o saiba, nem o venha a saber nunca. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D