Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

Ele não merecia isto

mosaico.jpg

Ele não merecia nada disto, o país devia-lhe apenas gratidão e reconhecimento. 

Mas usarem o seu nome apontando-o para um alto cargo militar e depois virem com desmentidos, equívocos ou lá o que lhe queiram chamar, é coisa que não se faz.

Ele, já adivinharam com certeza, é o almirante Gouveia e Melo. O cargo era o de Chefe de Estado Maior da Armada.

Lugar ocupado, por outrem, com nomeação recente, aliás da competencia do Presidente da República. 

Dá para entender a razão deste enxovalho? Dá para entender alguma coisa desta história?

Dá para entender porque não há qualquer demissão no governo?

Continuo a pensar que a vergonha é coisa que faz falta a muito boa gente.

 

Tap survey

acores furnas.jpg

Ando há muito a ser perseguida pela TAP. Metaforicamente falando, claro. Tudo isto começou com uma viagem marcada para Budapeste, ainda antes da pandemia. Foi desmarcada, cancelada, mas nada de reembolsos, recebi sim um voucher, e finalmente este ano, fui informada de que o tal voucher ou era usado ou desapareceria.

Bem, toca de usar o voucher. Açores, ilhas maravilhosas no meio do oceano, que com chuva ou sem ela, nunca nos desapontam.

Os aeroportos subdimensionados transbordam. Máscaras sempre nas focinheiras. Para além dos controlos habituais e quase esquecidos, há agora também o controlo sanitário. 

E porque me sinto então perseguida pela TAP? Primeiro porque não devolveu o valor dos bilhetes, quando outras companhias o fizeram sem demora. Depois porque os lugares são apertados, e eu sou de tamanho pequeno, mal se podem mexer as pernas ou as costas, não há revistas, filmes, e a comida é muito má e muito cara. Vá lá, parece que oferecem copos de água, mas a pessoa fica sempre com medo que nos venham cobrar cinco euros em cartão, pelo tal copo de água. Depois enviam questionários para o email de cada passageiro a perguntar se recomendariamos a viagem, o dito TAP survey.

Contudo, os aviões continuam a voar com uma frota de pessoal, talvez cinco «aeromoças e ou aeromocos», que, como é evidente, não tem nada para fazer.  Vi alguns a comer nas traseiras do avião, e pergunto quais são as entidades patronais que fornecem refeições aos seus trabalhadores?

A TAP vive em grave crise financeira. Sabemos, pois o seu sustento, sai há demasiados anos dos impostos dos portugueses, mas serve exatamente para quê, alguém consegue explicar? 

Bem ou mal dizer

buga.jpg

O fecho de uma malinha pequena de levar ao ombro, que usava quase todos os dias, desde a sua compra, rebentou.

Na verdade, por vezes usava-a bem cheia e o fecho de correr era forçado.

Como gostava muito da mala, corri para a loja da compra, pensando que mo poderiam arranjar.

Não podiam, não senhor. Não faziam reparações. Mas assumiam o estrago como um defeito de fabrico.

Podiam era substituir a mala. Ora, como já não havia o mesmo modelo, saí de lá com uma mala nova. 

E só para concluir, acrescento tratar-se da Parfois.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D