Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

Os símbolos idos

presepio.jpg

Fui buscar o meu neto à creche e a educadora na troca de mensagens rápidas por entre as máscaras e com o devido distanciamento, anunciou orgulhosa, «Hoje na sala estivemos a fazer coisas de Natal». «O presépio?» perguntei. «Não, a árvore de Natal.»

Claro, pensei depois, o mais importante agora é a árvore e as bolas e as luzes. Quem é que  perderá tempo a explicar a uma criança a simbologia de uma família, sem abrigo, alojada num curral, numa noite fria?  

Em tempos, participei numa visita guiada à Igreja Paroquial da Ericeira, Igreja de São Pedro, com um belo interior com painéis alusivos à vida do Santo. Num desses painéis vê-se um galo, símbolo este da traição de S.Pedro. E o jovem guia, que tão bem tinha explicado as origens e a história do monumento, comenta a pintura, dizendo, «está aqui um galo, porque nesse tempo era uma refeição comum». Expliquei então o sentido da representação, relacionada com a negação do Santo, quando Cristo lhe disse antes da paixão, «Nesta noite antes que o gale cante, três vezes me negarás.» E assim aconteceu, segundo os Evangelhos. Interpelado três vezes, Pedro respondeu sempre que não conhecia Cristo. E após a sua ultima negação ouviu-se o cantar do galo.  E Pedro chorou então as lágrimas tristes da sua traição. 

É evidente que o guia nunca tinha ouvido esta história, bem como a maioria dos participantes da visita.

Nem esta história, cristã é certo, nem outras histórias, de outras origens ou não, porque as histórias dão trabalho a contar a ler e a descortinar.

Mais fácil é colocar as luzes num arremedo de pinheiro de plástico.

E assim se vai perdendo o conhecimento dos símbolos das nossas culturas. 

As decisões do Ministério da Saúde

sapo.jpg

Estamos todos a atravessar um período negro, muito negro mesmo e sem fim à vista.

Vou agora falar da decisão do Ministério da Saúde, que este ano, determinou que a vacina da gripe seria ministrada pelos Centros de Saúde.

Ou seja, as farmácias deixaram de receber as quantidades que costumavam receber e os interessados foram aconselhados a marcar dia e hora no respetivo Centro.

Tudo isto poderia na verdade funcionar. 

Mas não funcionou. Avisaram-me agora que a minha vacinação marcada há semanas, para a próxima segunda feira, foi desmarcada sem qualquer previsão de nova data.

Telefonei para a farmácia, continuam sem receber as vacinas e não sabem quando, ou se, as receberão.

E estamos nisto. As novidades implementadas num ano tão difícil produziram estes resultados. Fizeram as marcações sem saber se dispunham do medicamento e agora em cima da hora, descobriram que afinal já não há, nem ninguém sabe se tornará a haver.

São estas as boas decisões da Saúde. Mais um sapo que temos de engolir neste caos.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D