Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

Livro «Os Romanov»

livro romanov.jpg

De 1613 a 1918, quase 300 de história da Rússia e consequentemente também da Europa e do Médio Oriente, nos são desvendados com base numa profunda pesquisa de novos arquivos, pelo escritor inglês Simon Sebag Montefiore. 

A narrativa destes dois volumes parece uma mistura da obra literária «Guerra e Paz» e da série televisiva «Guerra dos Tronos». São retratos de czares e czarinas, alguns geniais, outros loucos, mas todos enformados pelo poder autocrático e pela ambição imperial, que o autor considera que ainda hoje perdura na figura de Putin e dos seus próximos, terminando as suas páginas desta forma, «Os Romanov foram-se mas a autocracia russa continua viva».

A criação da cidade báltica de São Petersburgo, as figuras de Pedro o Grande e Catarina a Grande, as guerras napoleónicas, a guerra da Crimeia, a rainha Vitória, Tolstoi, Lenine, até ao último czar Nicolau II e a sua consorte a imperatriz Alexandra, fuzilados com a sua família, pelas balas da revolução. Tudo isto é recordado com o apoio de várias fontes históricas.

Boa obra, para quem gosta de ler livros históricos. 

 

O mistério dos moinhos de pimenta

pimenta.jpg

Cá em casa gostamos de pimenta e também de canela nos doces, noz moscada e por aí fora. Especiarias, enfim. Em busca delas foram os antigos até ao fim do mundo. Concentremo-nos porém, na primeira. Usamos moinhos para saborear a comida apimentada com mais aroma e paladar.

Entretanto, o nosso velho moinho deixou de moer e tive de comprar um novo. Uma perfeição, achei. Mas passou depressa, pois ao fim de poucas semanas só rodava sem moer, apesar de eu (tentar) apertar e desapertar a rosca de cima.
Como não se deita nada fora, fui recuperar o antigo, que agora depois da pausa, e por razões misteriosas, trabalha maravilhosamente.

Assim, neste momento, temos à mão dois moinhos de pimenta, contando ter pelo menos, um de reserva para qualquer imprevisto.

 

A justiça portuguesa vai à caça

porta monserrate.jpg

Que a justiça ande à caça dos criminosos, acho que é o seu dever. 

Agora porque mistério inexplicável, se reúnam antecipadamente os jornalistas e as televisões, que se juntam como abutres, prontos a julgar já e ali mesmo na praça, acho que é uma tristeza. 

Chamam-lhe «fugas de informação», eufemismo, sem dúvida, pois que é uma constante.

Precisamos de rapidez e dignidade na nossa justiça. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D