Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

Como as coisas evoluem

mota ctt.jpg

Lembram-se dos antigos carteiros, carregados com sacos pesados, que nos apareciam à porta para distribuir a correspondência? 

Pois agora é assim.

Uma bonita motoreta não poluente, daquelas que vai a qualquer lado, com rapidez e comodidade.

Quando foi da privatização dos correios, ouve muitas vozes contra, que isto, que aquilo e aqueloutro, mas parece que a coisa até correu bem e a imagem que nos chega é concerteza muito melhor. 

E quando não devemos atirar pedras

pedras.jpg

Nem sempre devemos atirar pedras, há muitos casos em que devíamos antes atirar pétalas.

Vem isto a propósito, de recente noite passada na urgência no Hospital de Santa Maria. Felizmente não ia lá há anos e o que vi surpreendeu-me pela positiva.

Não só as instalações estão renovadas, com bom aspeto, acolhedoras, como encontrei  profissionais novos, (não por serem novos, quero dizer), mas competentes e empenhados, que em pouco tempo, despistaram e trataram  uma situação que poderia ser grave. Vi carinho, esforço e dedicação por todo o lado.

Sim paga-se taxa moderadora, mas ao menos nestes casos, percebemos para onde vai o nosso dinheiro.

E pronto, fico sempre contente quando temos de dizer bem.

 

Vistas de Lisboa, e que vistas...

alfama hotel2.jpg

alfama hotel.jpg

Estas imagens foram captadas no terraço do Hotel Memmo Alfama que é, em si mesmo um exemplo de recuperação e feliz integração no local pré existente, uma colina entre a Sé e o Limoeiro e beneficia ainda de umas vistas fabulosas sobre a cidade e o rio.

A adaptação e a valorização de espaços antigos, modernizando por dentro, mas mantendo a alma dos edifícios, foi aqui muito bem conseguida. 

 

Vale bem a visita, e aproveitem agora as boas tardes para esplanar.  

As coisas bonitas que aparecem nas nossas paredes

parede.jpg

 

Tanta coisa linda na cidade de Lisboa, parece que a cada canto surge sempre uma surpresa agradável.

Os bairros antigos estão a dinamizar-se rapidamente, a recuperar casas, a abrir lojas, hotéis, hostels, turismo local, «tuc tucs» por todo o lado. Muitos postos de trabalho tem sido criados, não nos podemos esquecer.

Há quem ache que se corre o risco da descaracterização, de gente a mais, de turistas indesejáveis, de confusão e por aí fora.

Mas sinceramente, alguém poderá preferir a pasmaceira de, digamos, há menos 10 anos, as casas a cair, o comércio a agonizar e a fechar  e o centro da cidade constantemente a desertificar. 

Claro que como em tudo poderá haver alguns excessos, mas a mudança e o arejamento na cidade tem sido uma benção. 

 

 

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D