Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

Abusos na igreja católica

ajule porto.jpgFui educada numa família católica que ia à missa ao domingo, e por isso, frequentei a catequese e fiz a primeira comunhão na minha paróquia da altura em Lisboa, Santo António de Campolide. Eu e outras da minha criação. Era costume confessarmo-nos regularmente em certas épocas do ano. As lembranças que tenho dessas confissões são tristemente sinistras, pois que já menina e moça a única coisa que interessava a alguns  párocos era se tínhamos namorado e o que fazíamos com o dito. Eu não tinha namorado nenhum,  pelo que num instante, era despachada com três avé marias de penitência, mas no entanto considerava a pergunta uma intromissão. As mais velhas e mais experientes avisavam as miúdas mais novas para não irem a determinado confessionário, havia diversos então, porque o padre se punha a perguntar mais isto e mais aquilo.

Não me move nenhum intuito persecutório contra a igreja, pois reconheço nela muitas virtudes e sãos princípios.

Contudo, não posso deixar de me alegrar por ter sido agora criada uma comissão independente para a apreciação de abusos na igreja católica, que com certeza terá bastante que apurar.  Abriu-se finalmente uma porta de desabafo e reconciliação para muitas vítimas.

Contudo, nestes como em muitos outros casos, o problema será sempre a prova dos factos, em muito agravada pela distancia.

 

O assédio e a faculdade de direito de Lisboa

Fserralves.jpg

Discute-se por estes dias, situações de assédio e humilhação ocorridos na Faculdade de Direito de Lisboa. Porque por lá passei e por lá me licenciei, tendo experenciado a vida académica durante os últimos anos da ditadura, com a introdução dos vigilantes  ou «gorilas»,  devo reconhecer que a Faculdade era nessa altura um local em que os estudantes ou melhor, sobretudo, «as» estudantes, grupo então minoritário, eram humilhadas, rebaixadas e desconsideradas.

Consistia numa tática conhecida e usada por alguns professores. As taxas de reprovação eram muito elevadas, sendo que só cerca de 10% dos alunos que entravam no primeiro ano conseguiam acabar o curso. Também as notas eram em Direito muito mais baixas do que noutros cursos. Lembro-me de um assistente ter dito a uma bonita caloira que a nota de 8 que lhe tinha atribuído na prova escrita demonstrava que ela era «muito boa.» 

As provas orais quase sempre obrigatórias, afiguravam-se de tal modo aterradoras que num dia em que calhou ser examinada por um dos grandes catedráticos, quase todos os alunos convocados faltaram à primeira chamada, tendo sido apenas eu e um Abdul africano, os únicos a fazermos a dita oral e talvez por sermos apenas dois e atrevidos representantes de minorias, com sucesso. 

Assim se vivia o ambiente de poder e de intimidação na época. Espantoso é que depois de tantos anos as coisas pouco tenham mudado.

Liga portuguesa contra o cancro

 

liga.jpg

A Liga Portuguesa Contra o Cancro realiza anualmente em certas datas, peditórios nacionais. Mas a possibilidade de serem feitos donativos está sempre aberta e são estes que permitem que o trabalho da Liga prossiga na investigação e no apoio a doentes e familiares.

Trata-se de uma importante organização fundada em 1941, que os portugueses bem conhecem e que tenta agora recuperar diagnósticos e tratamentos que ficaram atrasados com as preocupações da pandemia.

Ouvi há dias alguém próximo, a quem o cancro tinha roubado prematura e inesperadamente um familiar dizer, «com as restrições do covid muitos não se puderam despedir nem acompanhar doentes e familiares na sua hora de dor, por vezes, nem umas simples flores conseguiram levar, aproveitemos assim a oportunidade de doar o dinheiro dessas flores como símbolo para a luta contra o cancro.»

Quer através de um donativo direto ou de indicação no preenchimento do IRS está na hora de retribuir.

 

Dizem maravilhas do exercício físico

 

madeira.jpg

 

Há muita gente a dizer maravilhas do exercício físico  e eu junto-me a esse coro.  Num país onde a maior parte da população é avessa a mexer-se, os que o fazem regularmente beneficiam de uma melhor qualidade de vida, mais vitalidade e boa disposição.

Claro que nem todo o exercício é para toda a gente. Terá de se fazer uma escolha de acordo com as diferentes idades, aptidões e gostos. A prática deve ser gradual e continuada, não serve de nada iniciar uma maratona, andar por ali aos trambolhões até espumar pela boca e depois passar dois meses a dizer mal da vida por conta de um jeito na anca.

Agora o que verifico é que quem começa, ou recomeça, estabelece uma rotina, mantém um grupo, um bom mestre, sente-se estimulado e a progredir.

A primavera está aí a pedir umas boas caminhadas, mexam-se por prazer.

Diamantino

diamante.jpg

0 meu pai chamava-se Diamantino, nome antigo do princípio do século passado, mas que ele prezava dizendo  que provinha de diamante, uma preciosidade.

 E na verdade o meu pai era um raro e precioso diamante. Não tinha os pés muito assentes na terra, todavia sabia cultivar o sonho e a imaginação das filhas. 

Foi ele me ensinou a apreciar os diferentes tipos de rochas, os pássaros, os seus cantos e plumagens, as árvores, os seus rebentos e os seus frutos, enfim o valor  da natureza.

Recordo com muita ternura os passeios que costumava dar a pé com o meu pai e onde, quer na cidade quer no campo, havia sempre matéria para explicações e descobertas ou não fosse ele pedagogo e professor de física e química.

Numa época em que era raro os homens ocuparem-se das crianças, ele fê-lo sempre com naturalidade, hábito que ainda conseguiu manter com alguns dos netos. 

No mês em que se celebra o dia do pai, lembremos com gratidão os pais das nossas infâncias, os pais que nos acompanharam e ajudaram a ser mães e os pais mais recentes que só agora estão a iniciar a sua caminhada.

 

 

 

Herança escondida

 

LEBRE.jpg

Quando nos chega às mãos um objeto antigo, que tenha conhecido outros donos e poisos, bastas vezes nos perguntamos a sua origem e a sua história.

Obra preciosa, de Edmund de Waal, «A lebre de olhos de âmbar», dá-nos conta disso. Descreve uma coleção. pertença dos seus antepassados, de 264 pequenas esculturas de madeira e marfim, não maiores do que uma caixa de fósforos, que saíram do Japão no século dezanove e desembarcaram em Paris, regressando depois da segunda guerra mundial ao Japão, até voltarem de novo à Europa, desta vez ao Reino Unido, onde vive o autor, que é agora o seu dono.  A descrição do percurso das peças através de gerações, acompanha por isso, a história europeia e mundial, as suas mudanças e conflitos.

Este relato fez-me lembrar a história de um velho louceiro familiar, tão grande e tão pesado que tinha ficado esquecido no quarto interior da casa de uma avó. Há muitos anos, uma das filhas apoquentada com os altos e baixos da vida e depois de ter sido obrigada a vender os seus poucos pertences por causa das dívidas de jogo do seu marido, veio resgatá-lo. O móvel foi desmontado, limpo, encerado, as prateleiras foram forradas e encheu-se de coisas bonitas. 

O velho louceiro ainda hoje pontifica numa sala e está pronto para novas aventuras.

 

 

 

 

Nuvens negras

 

cinzento ceu.jpg

 

Andam por aí muitas nuvens negras. O covid, as crises económicas, políticas e muitas mais, que isto tem sido um fartar, mas agora ainda se junta a crise de falta de materiais.

Pois é, faltam as peças, faltam os materiais e ninguém sabe quando chegarão. Talvez na próxima semana, talvez sim ou talvez não...

Dias antes do Natal, foi a minha vizinha às compras de alimentos na praça e no talho. Carregou os víveres para o carro, e verificou desapontada que este não andava.  Nada mesmo nada. Não tinha bateria. Chamou o reboque, trouxe as coisas para casa conforme pôde. E o carro ficou na rua e por lá tem permanecido até à data, pois não há baterias e nem se sabe quando virão, talvez para a semana...ou talvez não.

O Natal da avó Carolina (continuação)

natal antigo.jpg

 

Afinal como foi o Natal da avó Carolina, perguntam alguns?aqui

A avó, dona da sua cabeça, decidiu ela própria ficar no lar.  Não queria correr riscos desnecessários, ela que já tinha sido infetada com covid, logo no princípio da coisa e tinha estado hospitalizada mais de uma vez, sabia bem o que temia.

Recebeu uns dias antes, a visita dos netos, todos testados negativamente e ficou muito contente com as fotos de telemóvel que estes lhes mostraram das suas atividades e dos membros mais novos da família, alguns que chegaram entretanto e que ela ainda nem conhecia.

No dia de Natal houve uma chamada coletiva para a avó. Contudo, nada de imagens, porque a tecnologia da avó não o permite, mas fizeram-se fotos de grupo que serão impressas e lhe irão chegar, em breve.

E assim se passou mais um Natal em pandemia. E como será o próximo?

Apenas uma história de Natal

natal.jpg

Mais ao menos, por este altura do ano, e já lá vão muitos, as professoras de Trabalhos Manuais e de Moral do liceu que frequentava, resolveram dinamizar a troca de prendas natalícia, com o sorteio do amigo secreto.

Ficou assim combinado que as lembranças seriam feitas por cada aluna e seriam depois trocadas num determinado dia com a nossa amiga secreta.

Em breve começaram a perfilar-se nos armários as prendinhas de cada. Desde logo, me saltou à vista uma, para mim lindíssima estrela de Natal, feita com círculos de papel celofane vermelho enrolado em cornucópia, assente numa base de cartolina redonda e com uma bola vermelha no centro. Aquela estrela era sem dúvida o enfeite mais bonito que eu alguma vez vira.

No dia certo, chamaram-se as alunas uma a uma e fui eu que recebi maravilhada a referida estrela. Eu era a amiga secreta da sua autora, facto que desconhecia. 

Guardei a estrela durante muitos anos. Foi compondo diferentes árvores e presépios, até que  acabou por se desfazer por mais cola e fita cola que eu usasse. 

Há muito que esqueci o presente que então ofereci, alguma insignificância sem jeito por certo, mas recordo até hoje com gratidão e encantamento aquele que recebi. 

A pandemia e as nossas avós

gulb.jpg

A avó Carolina já conta muitos anos. Em numero redondo podemos dizer que está dentro dos noventa e perto da centena. A avó está desde algum tempo a viver num lar para pessoas de idade, dada a sua fragilidade e as suas condições de saúde, ou de falta dela.

Vive conformada com isso. Tem a cabeça no lugar e reconhece que está mais acompanhada na instituição do que na sua própria casa. 

Recebe visitas com muito agrado e tem feito amigas no lar.

Esta avó costumava passar a temporada de Natal rodeada dos filhos, netos, sobrinhos e demais família. Mas este ano, aliás como no ano passado, ainda ninguém sabe bem como vai ser.

Trazer a avó, talvez? E os perigos do contágio? E a eventual e detestada quarentena, fechada no seu quarto, depois do seu regresso?

Ir visitá-la ao lar? Mas a instituição pede de novo aos familiares para reduzirem as visitas?

E assim estamos num novo Natal, com muitos dos nossos anciãos ainda mais isolados, fechados e tristes.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D