Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

Presos dentro do seu próprio corpo

acorrentado.jpg

Com o envelhecimento da população têm aumentado, entre nós, situações extremas de demência, alzheimer ou senilidade, que nos fazem refletir.

Contou-me recentemente pessoa amiga, «o meu sogro, agora com 92 anos, está há quatro anos acamado, numa instituição, totalmente dependente, sem falar, nem conhecer ninguém e a ser alimentado por uma sonda. Acompanhei ainda a velhice e a dependência do meu avô, que também perdeu o discernimento, mas que, como vivia com os filhos e os netos foi muito mais acompanhado, e manteve-se ativo até ao fim. Acho que houve um retrocesso e uma desumanização no apoio aos idosos. Com a melhoria dos cuidados de saúde, esquecemo-nos do principal, que deveria ser o «cuidar» das pessoas e não o prolongar indefinidamente a vida a qualquer custo.» 

É isto que pretendemos para os nossos idosos, ou para nós próprios, o ficarmos prisioneiros dentro de um corpo destroçado? 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D