Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

O menino está dormindo

nat.jpg

Diz a velha canção de Natal, de que alguns se lembrarão, «O Menino está dormindo ao colo da Virgem Maria».

Atualmente quase não se ouvem canções de Natal em português. O que é uma pena, pois temos melodias tão bonitas, algumas muito esquecidas. 

Agora é só «jingle bells» e pouco mais. Penso que deveríamos fazer um esforço, a começar pelas rádios,  para repescar as tradicionais músicas desta época e que todos ganharíamos com isso. A diversidade é mais criativa que a uniformidade.

Mesmo assim, ainda bem que há um «youtube» para os mais saudosistas. 

Baloiços e balanços

baloiço.jpg

O aproximar do fim de ano costuma ser época de balanços. O que correu melhor ou pior, e o que gostaríamos de conseguir melhorar no ano vindouro.  

Lembro-me de uma história muito antiga, em que o ano velho se esforça nos seus últimos dias para realizar o sonho ou sonhos de cada um, mas apesar disso, as pessoas preferem que o ano se fine e surja o ano novo, cheio de promessas ou ilusões porque a novidade é sempre mais atrativa.

Balanços e  baloiços, parecem ser como a vida, umas vezes para baixo outras para cima.

Que venha então o ano novo, e que nos traga boas surpresas.

Quando os trapos se parecem com arte

az4.jpg

az3.jpg

az 2.jpg

Até ao dia 23 de dezembro, está presente no Museu do Traje, em Lisboa, uma exposição comemorativa dos 40 anos deste Museu e evocativa dos 20 anos de carreira do criador português Paulo Azenha.

As cores vivas, os diferentes tecidos e padrões e a variedade de materiais, chamam a nossa atenção para a grande criatividade deste estilista, que formado pelo IADE, trabalha agora na indústria de moda parisiense.

Quem, ao ver um pavão e a sua original plumagem, não sonhou também com um traje semelhante?

Mas poucos seriam capazes de conceber um vestido, vestível e feito com as penas do pavão.

Quem gosta de moda, deve ver esta mostra, que decerto, irá surpreender.

O verde da esperança

edimburgo.jpg

Por vezes manter a esperança viva e verdejante pode ser difícil, com o que se passa à nossa volta.

São os recentes comportamentos de alguma esquerda portuguesa.

Por exemplo, a posição contra o voto de pesar da Assembleia da República pela morte do empresário Belmiro de Azevedo, responsável pela criação de riqueza e de tantos postos de trabalho. Assim, houvesse muitos mais empresários portugueses com esta fibra. 

O continuar a não haver acordo, entre a administração e a comissão de trabalhadores quanto à proposta dos novos horários laborais na Autoeuropa.  

Seria bom que o capital acabasse, fugisse e deixasse os trabalhadores desempregados, à míngua da sopa dos pobres ou dependentes do estado falido? Será que é isso que alguns pretendem, no século XXI?

Ai verde, verde da esperança, que nos fazes falta.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D