Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninguém é feliz sozinho

Ninguém é feliz sozinho

Livro «Os Romanov»

livro romanov.jpg

De 1613 a 1918, quase 300 de história da Rússia e consequentemente também da Europa e do Médio Oriente, nos são desvendados com base numa profunda pesquisa de novos arquivos, pelo escritor inglês Simon Sebag Montefiore. 

A narrativa destes dois volumes parece uma mistura da obra literária «Guerra e Paz» e da série televisiva «Guerra dos Tronos». São retratos de czares e czarinas, alguns geniais, outros loucos, mas todos enformados pelo poder autocrático e pela ambição imperial, que o autor considera que ainda hoje perdura na figura de Putin e dos seus próximos, terminando as suas páginas desta forma, «Os Romanov foram-se mas a autocracia russa continua viva».

A criação da cidade báltica de São Petersburgo, as figuras de Pedro o Grande e Catarina a Grande, as guerras napoleónicas, a guerra da Crimeia, a rainha Vitória, Tolstoi, Lenine, até ao último czar Nicolau II e a sua consorte a imperatriz Alexandra, fuzilados com a sua família, pelas balas da revolução. Tudo isto é recordado com o apoio de várias fontes históricas.

Boa obra, para quem gosta de ler livros históricos. 

 

O mistério dos moinhos de pimenta

pimenta.jpg

Cá em casa gostamos de pimenta e também de canela nos doces, noz moscada e por aí fora. Especiarias, enfim. Em busca delas foram os antigos até ao fim do mundo. Concentremo-nos porém, na primeira. Usamos moinhos para saborear a comida apimentada com mais aroma e paladar.

Entretanto, o nosso velho moinho deixou de moer e tive de comprar um novo. Uma perfeição, achei. Mas passou depressa, pois ao fim de poucas semanas só rodava sem moer, apesar de eu (tentar) apertar e desapertar a rosca de cima.
Como não se deita nada fora, fui recuperar o antigo, que agora depois da pausa, e por razões misteriosas, trabalha maravilhosamente.

Assim, neste momento, temos à mão dois moinhos de pimenta, contando ter pelo menos, um de reserva para qualquer imprevisto.

 

A justiça portuguesa vai à caça

porta monserrate.jpg

Que a justiça ande à caça dos criminosos, acho que é o seu dever. 

Agora porque mistério inexplicável, se reúnam antecipadamente os jornalistas e as televisões, que se juntam como abutres, prontos a julgar já e ali mesmo na praça, acho que é uma tristeza. 

Chamam-lhe «fugas de informação», eufemismo, sem dúvida, pois que é uma constante.

Precisamos de rapidez e dignidade na nossa justiça. 

A ADSE e um futuro nada cor de rosa

monserrate.jpg

A ADSE ou Assistência na Doença aos Servidores do Estado, tal como foi criada, ainda no tempo da outra senhora, chegou até hoje, porque, melhor ou pior, tem cumprido os seus objetivos.

Vive das contribuições dos seus beneficiários, que são agora facultativos e não obrigatórios. Os descontos são de     3,5 % sobre os salários ou pensões, mas como é óbvio, este sistema alivia o Serviço Nacional de Saúde, por facilitar o acesso aos serviços de saúde, entre o privado e o público. 

Tem defeitos, sem dúvida, pode ser melhorada, também.

Mas querer reduzir as tabelas, só porque sim, pode vir a tornar-se um grande risco para os beneficiários. No momento, poucos dentistas têm acordo por causa das baixas comparticipações, ora se estas baixarem ainda mais, muitos outros prestadores de saúde poderão sair do sistema.

Se há falta de dinheiro, o que ainda não vi claramente explicado, porque não permitir a inscrição na ADSE a qualquer trabalhador que quisesse aderir, como num seguro de saúde?  

Por favor, vamos deixar de mexer no que está bem.

A super «nanny» e a super parvoíce

concha.jpg

Começou ontem um programa novo na SIC, sobre o (mau) comportamento de crianças, «Super Nanny» . 

Trata-se de uma fórmula televisiva, existente em vários países na Europa e também no Brasil, onde uma educadora ou psicóloga assiste às «cenas» e depois procura aconselhar os familiares sobre a estratégia a adotar.

Em  suma, pretendem-se mudar comportamentos, através do reforço positivo.

Não tenho dúvidas, que em muitas casas o infante terrível é o rei, que manda e ordena e que os pais e os educadores se devem ver aflitos para servir «sua majestade».

Não tenho dúvidas, que muitos destes pais se sintam perdidos e a necessitar de orientação.

Mas fazer disto programa televisivo, expor crianças desta maneira é bem pior que os tradicionais castigos da reguada ou das orelhas de burro, que ao menos só eram presenciados pela turma e agora podem ser assistidos pelo país inteiro.

 

Depois da seca

chuva.jpg

Depois da seca, chegou finalmente a chuva. E que saudades dela!

Até há pouco mais de um mês, ouvíamos as previsões meteorológicas ou consultávamos os nossos telemóveis para saber do tempo, e duma coisa podíamos estar certos, mesmo que a chuva estivesse prevista, ela parecia desvanecer-se antes de chegar. 

Agora é ao contrário, mesmo que a previsão seja um sol radioso, a chuva consegue sempre marcar presença.  

Algumas barragens estão já com a sua quota máxima, ou perto disso e outras estão finalmente a ser limpas, para aumentarem a sua capacidade. 

E a chuva ainda é pouca para a falta que nos faz.

Vestimentas variadas

edimb.jpg

As urbes, ou as grandes urbes, apresentam-nos vestimentas bem variadas. Podemos dizer que a imaginação será sempre o limite.

Na fria e ventosa Edimburgo ouvi uma gaita de foles e encontrei o seu tocador, vestido com o «kilt» tradicional e os joelhos ao léu.  

Mas nestes dias frios, tenho visto muitos jovens, com as famosas calças justas, algumas mais parecendo colans, com ténis, sem meias ou com meias escondidas, e vá lá, uma camisola ou um blusão. Às vezes, um gorro ou um cachecol, mais para dar estilo.

Por outro lado, há quem se apresente com botas resistentes, meias de lã, calças quentes, casacos, gabardinas e sobretudos e mesmo assim se queixe da friagem e da humidade.

Caso para dizer, a cada qual sua veste, pois o frio é sempre aquele que sentimos.

Feijão mágico

feijao magico.jpg

Numa troca de prendas natalícia com um amigo secreto, recebi uma pequena lata redonda.

Com instruções. Abrir, regar e tratar com amor e cuidados.

Por fim, após umas semanas, germinou um feijão mágico, portador de uma mensagem secreta.

«Best friends».

As coisas que há agora para o pessoal gastar dinheiro. Mas lá que é simpático, isso é.

 

Para começo do ano

arraiolos.jpg

Na minha faixa etária, são cada vez mais, as pessoas à minha volta com cancro, ou doenças graves. Algumas já partiram, outras por cá andam, vivendo um dia de cada vez, como acho que deva ser.

Vem isto a propósito de uma vizinha, que se debate há poucos anos, com um cancro dos intestinos, neste momento controlado, mas que se desloca regularmente ao Instituto Português de Oncologia. Vinha a sair um destes dias, quando encontra desfeita em lágrimas, uma senhora talvez nos «setentas», a lamentar-se da angústia e dos tormentos da doença e das consultas. «Eu quando venho aqui fico sempre transtornada», dizia ela.

A minha vizinha, que perdeu recentemente num neto, ainda criança, também vítima de cancro, ajudou, «Tem razão, tanta gente nova, crianças, bebés e já com este sofrimento.»  «Não», replicou a senhora chorosa, «não é pelos outros é por mim, pois nunca sei o que me vão dizer, se estou pior ou melhor.» 

Aí, a minha vizinha não se conteve, «mas com as nossas idades, já vivemos as nossas vidas, pior ou melhor, e há que encarar a situação, porque ninguém cá fica. Agora os novos, esses sim.»

Ora aqui vai um «post» para nos lembrarmos, neste princípio de ano, de viver com lucidez cada dia.

O menino está dormindo

nat.jpg

Diz a velha canção de Natal, de que alguns se lembrarão, «O Menino está dormindo ao colo da Virgem Maria».

Atualmente quase não se ouvem canções de Natal em português. O que é uma pena, pois temos melodias tão bonitas, algumas muito esquecidas. 

Agora é só «jingle bells» e pouco mais. Penso que deveríamos fazer um esforço, a começar pelas rádios,  para repescar as tradicionais músicas desta época e que todos ganharíamos com isso. A diversidade é mais criativa que a uniformidade.

Mesmo assim, ainda bem que há um «youtube» para os mais saudosistas. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D